Sábado, 30 de Agosto de 2008

 

A tradição ajuda desde sempre a moldar o Homem. Não fosse a consistência humana em alguns pontos nunca teríamos atingido uma sociedade ao nível daquela em que vivemos presentemente (apesar de algumas das suas linhas delicadas). Contudo, não devemos por vezes ignorar alguns pontos tradicionais e racionalizar de acordo com a actualidade? Não conheço muita gente que seja a favor das touradas. Mas conheço algumas pessoas que vão a touradas. E a própria definição do que uma tourada resume o quão ignóbil e retardada é esta actividade, que move massas, cria empregos e movimenta dinheiro. Quando uma inteira plateia se enche para ver um animal ser levado ao sofrimento, e por vezes à morte, quando milhares de pessoas rejubilam com a dor de um animal, sente-se no ar um espírito quase medieval. O Homem é levado à ignorância.

As touradas são uma tradição; assim como chegou a ser tradicional queimar alegadas bruxas em praça pública, ou enforcar criminosos perante a população. Ao contrário destas duas últimas, o jogo sangrento das touradas continua a ser legal em três países do continente mais desenvolvido (desculpem-me os americanos) do mundo: Espanha, França e... Portugal. Em algumas vilas portuguesas é inclusive legal matar o animal em palco, para júbilo de homens, mulheres e crianças. Continua a existir uma educação de toureiros, forcados e criadores de gado: um homem que goste de touradas acaba por fazer com que o filho goste de touradas.

Mas fará sentido continuar a matar touros perante multidões? Deverá ser considerada como entretenimento a actividade de enfiar espadas no lombo destes animais? Assim como outras tradições como a matança do porco, as touradas são uma das piores heranças e tradições do Homem, que insiste em ser mantida. Legalmente tem-se feito pouco; entre o povo, apesar de existirem muitas mobilizações contra, ainda não se deu a mobilização contra. Este post, num blogue que até tem pouco de sério, é o meu contributo para que esta sangrenta actividade termine. Cortada pelo pescoço, tal como os touros depois de uma corrida.



publicado por b barbosa às 18:03 | link | comentar

31 :
De João Cacelas a 30 de Agosto de 2008 às 19:06
Assino por baixo. E depois de lhe cortarem o pescoço, cortem as orelhas e o rabo e exibam nas ruas.


De b barbosa a 30 de Agosto de 2008 às 19:28
Origado pelo apoio e por teres lido aquilo tudo.


De AL a 30 de Agosto de 2008 às 19:35
Acho pior a quantidade de pessoas que 'adoptam' cães, muitos deles de grandes proporções para não dizer que parecem autenticos ursos devido ao seu tamanho, e os mantém fechados o dia inteiro em *apartamentos*. Animais que passam o dia a ganir e a ladrar por tudo menos por felicidade.

Quem é do Ribatejo, como é o meu caso, tal *tradição* é orgulho.
Mas acho bem que se respeite quem não goste e discorde. Não vê na TV, basta mudar de canal, e muito menos tem de pagar bilhete para ir assistir na praça.


De rui santos a 30 de Agosto de 2008 às 19:51
Vais desculpar amigo bbarbosa, mas, assino por baixo deste comentário.
portugal não nasceu quando tu nasceste ou eu.
O que nos identifica no mundo é aquilo que somos, o que fazemos etc. etc.etc.
Eu não vou a touradas porque não faz parte do tipo de espectáculo de que gosto, como também nunca fui a nenhum concerto dos Delfins, e a maioria dos que defende o fim das touradas se calhar ja foi, e parece ser bem mais deprimente.
Não vou, não gosto, não critico.
Olha que os nossos blogues são mais insultuosos que as touradas e nem por isso acabaram com eles.
A IMAGEM QUE COLOCASTE, DESCULPA AMIGO , MAS, É UM EXEMPLO INFELIZ.
POR PIOR QUE SEJA A PESSOA, BEM MAL ESTAMOS NÓS SE A VIDA HUMANA NÃO VALE MAIS QUE A DE UM ANIMAL.
falou-se também da inquisição, do tempo em que se queimavam as pretensas bruxas, nem eu nem tu nem ninguém da nossa idade pode criticar o que não viveu... não viveste as coisas dessa época, não compares tempos dessa forma.
Não te esqueças que foi no tempo em que a nossa sociedade cometeu as maiores atrocidades que o nosso país se impos como o dono de metade do mundo.
OUTROS TEMPOS.

COMO JÁ TE DISSE , NÃO GOSTO DE TOURADAS, RESPEITO QUEM GOSTA, NÃO GOSTO DE FADO, MAS NUNCA PEDI PARA MATAREM A MARIZA, SE BEM QUE NÃO SE PERDERIA MUITO, NEM QUE FOSSE EM BARRANCOS.
E CONFESO QUE O SOFRIMENTO DO TOURO NA ARENA, NÃO ME IMPRESSIONA AO PONTO DE FAZER ALGO PARA ACABAR COM AS TOURADAS.
GOSTAS DP SÓCRATES?
EU NÃO, MAS NÃO VOU CRIAR UM MOVIMENTO QUE PERMITA ESPETAR CAVILHAS DE 15 CM NAS COSTAS DO HOMEM.... SE BEM QUE A IDEIA NÃO é NADA MÁ, E SE FORMASSE ESTE MOVIMENTO????
UMMMM POSSIVELMENTE TERIA MAIS APOIANTES QUE O MOVIMENTO PARA ACABAR COM AS TOURADAS.

FICA BEM E ESPERO QUE NÃO TE ABORREçAS COM O MEU COMENTÁRIO.
E PARA A PRÓXIMA ESCREVE UM POST MAIS PEQUENO PARA EU NÃO TER QUE COMENTAR TANTO...
LOL


De AL a 30 de Agosto de 2008 às 20:00
Podemos, pegando neste assunto adorado nos meios de comunicação e simples reunião de amigos e perguntar, porque ninguém se importa de *simplesmente* matar uma melga, uma mosca, uma formiga..
Será uma perspectiva de *tamanhos*!?
Se é uma perspectiva de sofrimento para o animal..julgo que as melgas sofrerão tanto como o touro quando levam com o chinélo, ou quando a mosca é esturricada no famoso cri-cri, ou quando vemos um trilho de formigas e há o pé maroto a esmagar umas quantas..
Não sei se será certo, correcto falarmos na Cadeia Alimentar, que aprendemos na escola.
Conhecem aquela questão da planta em vias de extinção que precisa comer aquele incento em vias de extinção!? Qual *salvamos*!? Sei que isto tem tudo a ver com a natural causa e acontecimento das coisas. E sem dúvida. O Homem é o único animal que tira prazer em matar outros..inferiores na cadeia. Porque infelizmente matamos nossos *equivalentes*.

Acho que esta questão de 'tourada ou não tourada eis a questão' é mais séria do que aparenta, porque sem dúvida, leva a muitas outras questões *éticas*. Que provavelmente são das questões mais subjectivas que há.


De b barbosa a 30 de Agosto de 2008 às 20:28
Quando queres matar uma mosca reúnes os amigos todos, colocas a mosca no centro da mesa e começas a espetar-lhe pequenas agulhas nas costas de forma a levar alegria aos presentes?


De rui santos a 30 de Agosto de 2008 às 20:39
olha, eu fiz bem melhor, quando era miudo, lembraste daqueles cadernos de capa preta em que o pessoal que andava na escola gostava de colar cenas cortadas das revistas.... e depois colava o papel autocolante transparente???
Lembras????
eu tinha uns cadernos desses muita giros...
um tinha uma pagina inteira da lista telefónica, e outro tinha uma carrada de moscas que apanhei durante um dia.
Não meti as moscas na arena, mas que os meus colegas se fartaram de rir fartaram....
ok fui mau, mas é verdade, e não me importou para nada o sofrimento da porcaria das moscas.
So não meti um touro no caderno porque não usava mochila e não me dava geito andar com ele de baixo do braço
lol


De b barbosa a 30 de Agosto de 2008 às 20:25
Todos temos a nossa opinião. E eu sei que muitos daqueles touros condenados nas touradas morreriam se não tivessem um criador que os alimentasse, ou acabariam por morrer mais cedo ou mais tarde para serem transformados nos bifes que tanto gosto de comer.

O que me impressiona e o que eu acho ignorante e quase medieval é o facto de se transformar a morte de um animal numa romaria do catano.

Ps. Isso de espetar espadas no lombo do Sócrates não é muito má ideia. ;)


De b barbosa a 30 de Agosto de 2008 às 20:21
Acho de uma ignorância impressionante que alguém possa ver divertimento e olhar como orgulho uma tradição em que animais são massacrados para entreter uma plateia.

E não me venham falar da 'técnica e beleza da tourada'. Seria algo belo, sim, se não matassem os touros nem lhes espetassem espadas no lombo.


De rui santos a 30 de Agosto de 2008 às 20:31
ya, era belissimo, um touro a correr atras de um cavalo na arena aos circulos
oh isso já podes ver nas festas popuéares, há o carrocel que tem o unicornio e a vaca... e andam sempre um ataras do outro.
lol

deixa la os touros e as touradas e escreve posts que me façam rir que é para isso que eu cá venho
lol
cartão vermelho para este post sem humor e com muito sangue.... e não estou a dizer com isto que te tenha rebentado uma hemorroide
lol


De b barbosa a 30 de Agosto de 2008 às 20:38
Opinião Desconcertante. Foi a coisa menos desconcertante que escrevi aqui.


De AL a 30 de Agosto de 2008 às 23:13
Tenho para mim que a voz das senhoras que cantam nos Ranchos, e que é uma *tradição*, me perturba bem mais..

Podemos não reunir os amigos para matar moscas, mas lá que há *sempre* um ar de satisfação quando o fazemos..

E volto a dizer. Este assunto é tudo uma questão de *ética*.
Custa-me muito mais ver Homens a matar com prazer outros Homens que tourear e, em alguns casos, matar o touro na arena. Até porque há muita gente que é aficionado da tourada e não da tourada de morte..Até quem é aficionado não pode ser visto da mesma forma.

Não devias questionar o que as pessoas sentem como tradição..É como no norte andarem a bater com os martelinhos na cabeça uns dos outros pelo S. João..Aquilo supostamente não parte cabeças, mas é uma tradição que para mim não tem lógica =P


De b barbosa a 31 de Agosto de 2008 às 10:53
Também não tem lógica para mim, por isso é que não uso martelo e levo sempre um chapéu para ninguém me bater a mim na cabeça. E isto quando apareço lá sequer.


De brunomiguel a 31 de Agosto de 2008 às 15:04
Querem manter as tradições? Mantenham o direito da primeira noite, que também já foi tradição. E que tal sacrifícios humanos? Eh pá, mantemos também uma que os povos de Stonehenge tinham e que envolvia escolher um desgraçado qualquer para matar à "flechada", para entretenimento dos restantes.

A tradição dos argumentos mais idiotas para defender esta actividade degradante. Já houve tanta tradição que foi descontinuada. Porque não defendem essas, também?


De AL a 31 de Agosto de 2008 às 16:13
Muitas das vezes, nem são os aficionados que surgem com a 'tradição' como factor a ser falado primeiro.

Tradições degradantes sempre houve. E falando, em temas religiosos, lembrando da Inquisição que foi falada, a própria Bíblia está *repleta* de sacrifícios..nem sempre de aniimais. Muitas vezes humanos.

Todos os factores e opiniões são válidas. Depende é sempre do ponto de vista lol
Mas por exemplo, para mim, não faz sentido igualarem o touro ao Homem..porqu enão há comparação. Tal como disse antes, só o Homem tem noção do sofrimento e prazer/repulsa que pode advir dele. Por isso se separamos em níveis o Homem e restantes animais, não podemos, como ponto máximo, igualar o touro a nós..


De brunomiguel a 31 de Agosto de 2008 às 16:17
És cristão, não és? É a única explicação que encontro para pensares que só o animal homem é que sente dor e tem noção de sofrimento.
Quer dizer, tenho outra explicação, mas ias achá-la insultuosa.


De AL a 31 de Agosto de 2008 às 17:01
Nops. Nada. Pelo contrário! LOL

Nós somos sem dúvida os únicos que temos noção, porque somos os únicos com pensamento racional. É uma questão científica. Tudo menos religiosa, seja de que religião for.

Mas por isso é que eu, logo no 1º post, referi, por exemplo, o sofrimento dos animais domésticos, nomeadamente os cães. Eles sofrem, e sentem o sofrimento, mas só os donos percebem porque os *obrigam* a passar por isso..

Continuando então no foro científico. Os seres vivos são constítuidos por um sistema nervoso. Sentem dor. Sente o sofrimento que daí advém. Mas *não* têm consciência disso, nem do porquê, nem do como..reajem. Não pensam. Não reflectem. Como nós estamos aqui a fazer, que estamos a discutir um assunto e pensamos. O que já entra em campos folosóficos né!?

Acho que para falarmos dum assunto temos que estar bem cientes de vários aspectos, mesmo que não sejam os que nós 'profetizamos' como nossa opinião, mas simplesmente para sabermos, lá está, falar sem sermos condicionados por só conhecer uma via. ;)


De AL a 31 de Agosto de 2008 às 17:03
Ali no meio esqueci-me de defenir, entre os seres vivos, os animais irracionais e os racionais..Mas era o que queria dizer.


De b barbosa a 31 de Agosto de 2008 às 17:06
Então vamos desatar a matar os deficientes mentais do nosso planeta, porque em termos intelectuais, eles, infelizmente, não se podem igualar a nós.


De b barbosa a 31 de Agosto de 2008 às 17:03
É esse o meu ponto de vista. Para quê manter uma tradição estúpida? Qual é a verdadeira lógica e beleza de assistir a massacres públicos. Para isso põem-se uns banquinhos num matadouro e pagam-se bilhetes para as entradas...


De AL a 31 de Agosto de 2008 às 17:15
Esse exemplo é um pouco off..acho eu..

É como dizerem que praticam 'eutanásia' nos animais. Eutanásia não é abater um animal porque está doente. Não é o animal que diz aos veterinários para o abaterem. Enquanto há tanta polémica na 'eutanásia' nos Homens..

E ainda em relação à questão que foi levantada de eu só poder ser religioso..quanto muito essa visão podería ser considerada demasiado atropológica para ser religiosa lol
Se bem sei, as religiões metem, o seu deus ou deuses, acima do Homem. Nunca o Homem como *expoente máximo*

Epah..OS matadouros..Já foram a algum!? Aquilo é básicamente o mesmo..Uma data de pessoas a comandar máquinas para matar animais e depois obter as famosas embalagens de carne dos supermercados, ou a carne exposta no talho. Tem tanto de 'carnificína' como as touradas sobre esse ponto de vista..Em vez de andarem a cavalo andam a pé, em vez da casaca e calcinhas justas, andam de proteções e toucas por causa da higiéne..


De b barbosa a 31 de Agosto de 2008 às 17:21
A única diferença é que não existe uma celebração da morte e provavelmente os empregados do matadouro não devem sentir um enorme prazer e orgulho no seu trabalho.


De AL a 31 de Agosto de 2008 às 17:37
Sabes que para ali não podem ir pessoas trabalhar que lhes incomode a perspectiva de matar animais, sejam eles quais forem.

Falaste também na matança do porco. Mas é como as pessoa sna província que têm quintas e aqueles terrenos onde criam o seu sustento alimentar, ou frande parte dele, e essa parte muitas das vezes passa por galinhas, coelhos, cabras, assim como exemplo. E essas pessoas também chegam lá e torcem o pescoço à galinha para a irem cozinhar a seguir. Não digo que façam disso um ritual como os satanicos =P lol Mas lá que lhes torcem o pescoço, lá isso torcem lol

Caça é um desporto. Tal como a pesca.

Ora a pesca..As pessoas que pescam, gostam e aprecíam o facto de enganarem os peixes e enfiarem-lhes o anzol e pescá-los. Não é uma farpa nem espada, mas espeta da mesma maneira.
E sim, há muitos que depois de pescarem devolvem os peixes À água. Mas não terá o mesmo princípio, o acto de pescar, como o acto da tourada!? É apanhar um animal e ter prazer em fazê-lo.

Por falar em tradições. Pamplona..ter uma data de touros a correr pelas ruas e uma data deles à frente..a mim não me atrai =P Por isso sim..há uma diferença de 'beleza' e 'arte' se assim quiserem chamar que diferencia, por exemplo, as largadas e garraiadas das touradas.

E a Tomatina!? Também é outra tradição *engraçada*..e muitas vezes há mortos e feridos..


De b barbosa a 31 de Agosto de 2008 às 18:14
A: Hoje em dia há gente que tem de ir trabalhar para os matadouros porque não tem mesmo outra opção.

B: Essas pessoas provincianas que matam gado fazem-no para se alimentarem. E aposto que não deve ser lá muito divertido para elas ver galinhas sem cabeça. É apenas necessário.

C: Eu sou contra a caça e sou contra a pesca.

D: Pamplona é mais um exemplo de uma tradição idiota como as touradas.

E: A Tomatina... Não tenho nada contra a Tomatina. Se as pessoas sabem que muitas gente morre e se aleija lá apenas precisam de ficar por casa. Ninguém as obriga a irem brincar com tomates, como fazem aos touros, que são forçados a participar nas touradas.


De AL a 31 de Agosto de 2008 às 18:34
"E: A Tomatina... Não tenho nada contra a Tomatina. Se as pessoas sabem que muitas gente morre e se aleija lá apenas precisam de ficar por casa. Ninguém as obriga a irem brincar com tomates, como fazem aos touros, que são forçados a participar nas touradas."

Também ninguém obriga ninguém que não goste a ir a touradas. Se as pessoas sabem que há 1 touro e um cavaleiro e forcados a tourear o dito touro ;)

Na matança do porco que tu frisaste, também não vejo qual é a 'alegria' que as pessoas tiram em matar o porco. Reunem-se para conviver e comer e beber. PAra isso o que fazem!? Matam o porco. Mas acredita que é preciso vários para matar e tratar do porco até se poder comer.

Epah..as pessoas provincianas como lhes chamaste..estão mais que acostumadas a terem que matar os animais. E de certeza que não ficam tristes ou com remorsos por torcer os pescoços às galinhas, por exemplo.

Hoje em dia muita gente vai trabalhar para sítios que não gosta. Não é só matadouros. Mas a política dos matadouros não me parece que seja escolher qualquer um..E em última análise..as pessoas podem recusar..

Mas..porque será que ninguém tem 1 touro como animal doméstico!? ;)


De b barbosa a 31 de Agosto de 2008 às 23:39
Os touros não cabem em qualquer casa. E essa referência aos animais domésticos é outro dos podres da sociedade. Se comemos porcos, vacas e cabritos, porque não cães e gatos? E porque não fazer a matança do cão?


De shark a 2 de Setembro de 2008 às 21:54
Pego precisamente por esse remate da matança dos cães.
Legitimar a tourada como espectáculo de massas equivale a fazer o mesmo com as lutas organizadas de galos ou de cães. São na mesma dois animais a agredirem-se um ao outro, pela lógica simplista com que as coisas têm sido aqui afirmadas, e apenas os separa o facto de num dos casos existir um animal com capacidade para evitar a cena. Por ser desnecessária.
A mesma lógica das touradas devia permitir a simulação de caçadas nos circos, com a morte dos leões e dos ursos na pista.
Ou seja, a mesma lógica que une touradas e matadouros ou bandarilhas e chinelos pode virar-se na boa contra as touradas numa argumentação de café.


De b barbosa a 2 de Setembro de 2008 às 23:25
Todas estas matanças tradicionais estão relacionadas. É uma questão profunda, que como já ficou provado por esta discussão de comentários neste blogue que até nem diz muita coisa decente pode levar a outros caminhos, e ajudar a definir as diferenças entre o homem e o animal.

Pessoalmente, continuo contra.


De shark a 2 de Setembro de 2008 às 21:54
Pego precisamente por esse remate da matança dos cães.
Legitimar a tourada como espectáculo de massas equivale a fazer o mesmo com as lutas organizadas de galos ou de cães. São na mesma dois animais a agredirem-se um ao outro, pela lógica simplista com que as coisas têm sido aqui afirmadas, e apenas os separa o facto de num dos casos existir um animal com capacidade para evitar a cena. Por ser desnecessária.
A mesma lógica das touradas devia permitir a simulação de caçadas nos circos, com a morte dos leões e dos ursos na pista.
Ou seja, a mesma lógica que une touradas e matadouros ou bandarilhas e chinelos pode virar-se na boa contra as touradas numa argumentação de café.


De shark a 2 de Setembro de 2008 às 21:56
Perdoem-me o bis.


De b barbosa a 2 de Setembro de 2008 às 23:26
Perdoado pelos bis e pelo terceiro.


Comentar post

eXTReMe Tracker